Um novo tempo está surgindo

21 de Dezembro de 2020

Dia do Solstício de Verão no Hemisfério Sul, marcado pelo ingresso do Sol no signo de Capricórnio. Um dia especial, como há muito a humanidade não presenciava.

Um novo tempo está surgindo, mas não é o início da Era de Aquário. Ainda estamos num ano em que fomos todos colocados à prova, onde muitos se foram, muitos perderam e outros estão lutando e vencendo, atravessando esse vendaval a que fomos arrebatados, mas temos um grande movimento celeste que encerra esse período tão confuso e incerto.


Júpiter e Saturno se encontram mais uma vez, iniciando um grande ciclo de conjunções nos signos de Ar.

A cada 20 anos Júpiter e Saturno se encontram, marcando ciclos de crescimento e expansão onde são exigidas luta, competência e eficiência para que se possa ter a boa colheita ou então ter escassez e dificuldade se não houver dedicação e cuidado.

Nos últimos 200 anos, com poucas exceções, esses encontros se deram nos signos de terra, onde a humanidade voltou sua atenção para o consumo, as necessidades materiais, para o capital e o acúmulo de bens e riquezas, onde o maior valor se voltou para a segurança material e o capital.


Usamos a natureza, esgotamos suas riquezas e nos distanciamos de nossa ligação com a natureza, como se ela somente estivesse à nossa disposição e fosse somente para ser consumida e exaurida, como se não fizemos parte dela.

Mas o mundo materialista chegou ao seu ápice, se deteriorando e mantendo a riqueza na mão de poucos e aumentando mais a pobreza e o descaso com o meio ambiente.

Usamos e abusamos da Terra, voltando a atenção somente para o benefício próprio, tendo como principal motivo da vida ter, consumir, ter prazer e acumular, sem nos preocuparmos em repartir e distribuir.


Segregamos, discriminamos, dividimos a sociedade e até mesmo, como um momento de mea culpa, nos penalizamos pelos menos favorecidos, ajudando com alguns poucos benefícios os que pouco têm, mas não dando chances a eles também se desenvolverem.

Chegamos ao fim de um ciclo de terra nesses 200 anos de encontros de Júpiter e Saturno, que certamente teve bons resultados, mas que, chegando ao seu fim, se degenerou.

Com a estada atual de Urano em Touro estamos repensando claramente o que e como consumir, repensar o valor, o dinheiro e o que ele pode nos dar.

Júpiter e Saturno iniciam seus encontros, nos próximos 200 anos, nos signos de ar, iniciando, ainda que lentamente, uma nova fase em que as atenções se voltarão para a sociedade, para o humanismo, para a consciência de que somos todos da mesma espécie e habitamos juntos o mesmo planeta, com os mesmos direitos.


Júpiter ingressou em Aquário possibilitando à sociedade crescer e progredir através de ideais humanitários, do desenvolvimento intelectual e de uma nova abordagem sobre os direitos de cada ser neste planeta.

Teremos a possibilidade de ter uma abordagem imparcial e democrática da vida, sem distinguir as pessoas por seus dogmas, crenças e escolhas políticas, religiosas, suas condições econômicas e opções de qualquer espécie.

Mas são somente possibilidades, dependendo de nossa vontade de aceitar, entender e mudar essa realidade.


Saturno também ingressa em Aquário, seu domicílio diurno.

Diferente do que se propaga, Saturno em Aquário não tolherá a liberdade, mas sim trará, mesmo que forçosamente, a responsabilidade que temos que ter com nossos semelhantes, o comprometimento com a sociedade e a humanidade, já que compartilhamos do mesmo momento histórico em que um vírus miserável nos colocou na mesma condição.

Seremos forçados a respeitar nossos iguais, usando máscaras, nos vacinando e nos cuidando para poder cuidar de todos.


Saturno em Aquário traz somente a realidade e a responsabilidade de sermos AQUARIANOS e fazermos valer as palavras que ainda ecoam, mesmo que sem muita força, mas ainda insistentes, que prenunciaram uma nova era cada vez mais próxima: Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

Palavras e conceitos que ainda correm risco, mas a cada dia mais se tornam um vento cada vez mais forte.

Plutão e Netuno, que se tocam em harmonia, estimulam esse novo desenho da sociedade, desconstruindo um modelo desgastado e degenerado, germinando um ensaio para um tempo de regeneração.

Ainda não é a nova Era.

Amanhã, após esse encontro astronômico e astrologicamente histórico, amanheceremos da mesma maneira.

A mudança é lenta, mas já se faz presente.

Os ventos sopram mais fortes.

Os movimentos sociais voltarão.

As revoltas acontecerão, exigindo direitos e cobrando deveres.

Os princípios tão cantados na época da Revolução Francesa, estão cada vez mais presentes, confrontando a rigidez insana que começa a perder força, mas ainda lancinante.

A Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade não virão tão fáceis.

Não serão outorgadas prontamente.

Deverão ser conquistadas, com luta e força, com discernimento e coragem, já que é um direito de todos.


A Era de Peixes ainda está entre nós, cada vez mais se degenerando.

Foi uma grande era. 2000 mil anos com grandes avanços e conquistas.

Mas chegamos aos últimos suspiros desse tempo, ainda esperando que algo mágico nos salve e nos arrebate para a Nova Era. Netuno está em Peixes, dissolvendo realidades e falseando outras, mas não há mais espaço para a espiritualidade que não incorpore a razão e nem para o misticismo que não tenha fundamento.


É preciso desenvolver uma nova espiritualidade que nos faça perceber a necessidade dos desvalidos e esquecidos pela sociedade, sem nos excluirmos dessas responsabilidades, e agir para o bem de todos, sem distinção de raça, cor, credo ou qualquer outra coisa.

Vivemos um período muito próximo ao que foi a Renascença, uma época pós peste em que a Ciência, a Razão, a Cultura e as Artes voltaram ao seu lugar de destaque, ainda que lentamente.


Mas não fiquemos somente olhando os céus esperando os benefícios.

Temos que ser realistas e perceber que a hora é de nos movimentarmos e não somente esperar e vibrar pelo bem, mas agir e lutar. Certamente a fé pode mover montanhas, mas entre uma reza e outra devemos empurrar a montanha. Os movimentos celestes somente dão a direção. Não mudarão nossa mente e nosso DNA.


Não seremos arrebatados pela paz e felicidade que vem do cosmos.

Cabe a nós seguir o fluxo cósmico para colaborarmos com a evolução da humanidade, que sempre evolui, como sempre evoluiu depois de grandes crises

O melhor a fazer é seguir o céu e nos espelharmos na sua perfeição.

Que a humanidade, da qual fazemos parte, saiba aproveitar esse novo período, e que saibamos atravessar a tempestade que ainda se faz presente. Com sabedoria, discernimento e amor.


A vida não é uma arte, mas lutar por ela é que a faz A Grande Arte de Viver

Muita luz, boa luta e boa fortuna!!


Para hoje, para 2021, para os próximos 20 anos e para os próximos 200 anos.

Nos vemos lá!

Robson Papaleo

8 visualizações0 comentário